A Menina Filósofa e o Curupira

A menina filosofa - Flyer

Numa tarde, Sofia decide fazer um piquenique no sítio da sua avó (Neinha); encanta-se com o pé de abiu e resolve ficar lá, lanchando e lendo seu adorável livro de Filosofia. De repente, escuta um som diferente e eis que aparece a figura mitológica, o Curupira. Ambos se apresentam e conversam. Cada um revela o universo em que vive.
Sofia, fala sobre a importância da Filosofia e fala sobre a relação entre aparência e essência e Mito e razão. Já o Curupira, retrata seu universo, narrando sobre a vida na mata, protegendo-a dos seres humanos que a maltrata contando três histórias de lendas folclóricas.

Ficha Técnica:

Elenco: Carla Verônica.
Músico: Gedivan Albuquerque.
Cenário: Carla Verônica.
Direção: Gedivan Albuquerque
Iluminação e mapa: Gedivan Albuquerque.
Figurino: Carla Verônica
Producão: Carla Verônica.
Classificação: Livre


 

Cururu – O Sapo Cururu

cururu

Um espetáculo repleto de magia e alegria, voltado para as crianças e para todo o público. O
texto é autoral e a obra foi agraciada no Prêmio SESC/DF de Contos Infantis Monteiro Lobato,
em 2010, e obteve o 2º lugar, também em 2010, no XV Concurso Literário Nacional, promovido
pela Academia Caxiense de Letras/RS. O referente livro infantil foi publicado pela Editora
Celacanto, em 2014, obtendo também o prêmio de 2º lugar no Concurso Internacional de
Literatura Infanto-Juvenil da União Brasileira de Escritores (UBE). Além de o seu respectivo
roteiro para teatro ter sido publicado em 2015.
A história é contada por sete atores e a peça é permeada por uma trilha sonora elaborada a
partir de ritmos brasileiros, conferindo ao espetáculo diversidade musical e uma identidade
nacional.

Ficha Técnica:
Texto: Tatiana Alves
Direção: Júlio Luz
Classificação: Livre


Barbárie – Impressões de um Holocausto

Barbarie

A história do “Hospital Colônia” começou a ser conhecida no Brasil na década de 80, mas sua fundação foi em 1903. Comparado a um campo de concentração nazista, o hospital abrigava pessoas consideradas “indesejadas” na sociedade: gays, prostitutas, mendigos, opositores políticos etc.
Chegavam pessoas de todos os lugares atulhadas em vagões ferroviários conhecidos até hoje como “Trem de doido” e estima-se que mais de 60 mil pessoas passaram pelo hospital sendo submetidas a condições extremas e sub-humanas.·.
Após um ano de pesquisa a “Cia Teatro Vivo” decide transportar para o palco as impressões desse episódio de terror e desumanidade.

Ficha Técnica:
Direção, roteiro e iluminação: Rodrigo Carvalho
Trilha sonora: João Guesser
Designer Gráfico: Jorge Júnior
Figurino: Jaqueline Jorge
Elenco: Aline Pessanha, Bia Steele, Ella Vasconcelos, Eunice Cerqueira, Ingred Rocha, Jean Gimenes, João Guesser, Juliane Cruz, Maria Carlota, Mika Macedo, Raffah Souza, Tayná Wolff
Classificação: 18 anos


 

Show A mais fina ironia – O samba de humor no Brasil

finaironia

A história do samba de humor no Brasil contada e cantada desde os primeiros ‘batuques’ em que os africanos escravizados faziam, para amenizar seu sofrimento e para vingarem-se de seus senhores, debochando deles através da ironia e do humor. Fosse pelas costas ou pela frente, em linguagem cifrada. Esse comportamento ajudou a moldar várias características do samba, e, provavelmente, a peculiar capacidade dos brasileiros de rirem como artifício para enfrentar suas mazelas.

Ficha Técnica:
Voz , violão e percussão: Eduardo Feijó
Violão 7 cordas: Fábio Nin
Clarinete: Levi Chaves
Percussão: Éber de Freitas
Ingressos: R$ 2,00
*Pagamento somente em dinheiro
**A bilheteria abre 1h antes do evento


VermelhaCarap

Na semana da Consciência Negra a 4ªedição do Samba da Vermelha Carapuça com Alan Rocha promete a homenagem a Zumbi e a ancestralidade e traz como convidada a cantora Didi Assis. O músico e ator Alan Rocha já conhecido através do colorido e simpático Bloco CÉU na TERRA, e dos espetáculos SAMBRA, BEM SERTANEJO, CANDEIA, BESOURO e outros, volta a Santa Tereza, para comandar a 4ª edição do Samba da Vermelha Carapuça. O Samba da Vermelha Carapuça, nome de um samba autoral, que faz uma homenagem ao Saci e traz como convidada a cantora Didi Assis vocalista do grupo Samba 10 que prepara o lançamento do seu primeiro CD.

O Samba que não é gratuito, conta com a sua COLABORAÇÃO ESPONTANEA dentro da VERMELHA CARAPUÇA para que mantenhamos, mensalmente o samba com muita alegria, gente feliz e o lindo visual que o lugar oferece.

Clima familiar e agradável no seu inicio de tarde de domingo.
VAMOS PASSAR A CARAPUÇA!! Você vai e patrocina o samba.
Deus Ajuda e você também né?
*Pagamento somente em dinheiro
**A bilheteria abre 1h antes do evento


Show Maria Marcela – Maresia

Foto CD

Dia 18/11 – Sábado – 17h

Filha do engenheiro de som Marcelo Melo, que trabalha há mais de vinte anos com a cantora Nana Caymmi, Maria Marcella cresceu ouvindo o melhor da MPB. Nesse CD de estreia, ela pinçou obras de alguns dos seus autores prediletos, como Dolores Duran, Ribamar, Dorival Caymmi, Baden Powell, Vinicius de Moraes, Dori Caymmi, Paulo Cesar Pinheiro, Cartola, Elton Medeiros e Candeia, além de uma composição sua, tendo como temas principais o mar e o amor.

Os arranjos são do violonista Lúcio Rodrigues, para um grupo seleto de músicos, criando uma atmosfera bem delicada para o belo timbre da intérprete.
Grátis
*em caso de chuva o evento será cancelado.


ANTONIO SANT’ANNA – Participação especial: Marcos Suzano

Antonio Santanna

19/11 – Domingo – 17h

Lançamento do 2º CD (2015) produzido por Marcos Suzano, do artista Antonio Sant’anna (cantor e
compositor mineiro). No palco, Antonio Sant’anna(voz e violão), Marcelo Vig (percussão e
eletrônicos), Guilherme Gê (teclados e sync bass) e Gabriel Gabriel (sopros) num show para curtir,
dançar, cantar e pensar… Em 2007 foi uma das atrações do projeto Stereoteca (BH MG Brasil)
mostra da melhor safra da cena musical mineira. Na ocasião lançou seu primeiro disco que foi
muito bem recebido pelo público, pela crítica especializada e formadores de opinião como os
jornais Estado de Minas, Hoje em Dia e O Tempo. Em 2008 sua canção “doa doa”, na voz de Alda
Resende, foi incluída na Coletânea Brasileiríssima – comemorativa dos 30 anos – Rádio
Inconfidência – que reuniu uma edição com as mais belas canções produzidas nos últimos 30 anos
em Minas Gerais.

Antonio Sant´anna usa essencialmente voz, violão e percussão na estética das novas canções
gravadas em seu segundo disco (2015). Produzido pelo amigo e parceiro (internacionalmente
consagrado) Marcos Suzano, o álbum contem 11 canções assinadas por Antonio Sant´anna ou em
parceirias com Makely Ka, Fernando Santos, Alda Resende, Ravi Kefi e Renato Negrão.
Grátis
*em caso de chuva o evento será cancelado.


 

Um sol de muito tempo

um sol de muito tempo - flyer

Performance solo a partir de seis contos de Marcelino Freire. Personagens como o Velho, os
Acompanhantes, o Avô e a Criança dão voz a pontos de vistas distintos sobre o processo de
envelhecimento e a senilidade.
Ficha Técnica:
Texto: Marcelino Freire (contos dos livros AMAR É CRIME, ANGU DE SANGUE, BALÉRALÉ e RASIF)
Concepção e atuação: Wilson Belém Direção: Cadú Cinelli
Cenografia e Iluminação: Cadú Cinelli
Assistente de projeto cenográfico: Handerson Oliveira
Figurinos: Florencia Santangelo
Preparação vocal: Marianna Lima
Arranjo para violão: Gloria Calvente
Composição musical para o conto “TROCA DE ALIANÇAS”: Henrique Machado
Direção de Produção: Thamires Trianon
Produção: Inácio e Belém Produções Artísticas e 9 Meses Produções Artísticas.
Classificação: 14 anos
Ingressos: R$30 (inteira) / R$15(meia) / R$10 (Lista amiga colocando o seu nome no evento do Facebook).